What’s up for Junho? Colisões no Sistema Solar

Legendado em Português

 

Olá e bem vindo. Eu sou Jane Jones Houston na NASA Jet Propulsion Laboratory, em Pasadena, Califórnia.

O início do Sistema Solar era um lugar bagunçado  e os  asteróides, luas e planetas freqüentemente colidiam.
Essas colisões e impactos deixaram marcas que podemos ver.

As crateras são as características da superfície mais comum em muitos planetas sólidos e luas.

Quando o Meteoroide  atinge a superfície sólida, uma onda de choque se espalha do local do impacto. A onda de choque fratura a rocha e escava uma cavidade grande, muito maior do que o próprio Meteoroide .

O impacto espirra material em todas as direções.

Às vezes, a força do impacto é grande o suficiente para derreter uma parte da rocha  local.

Se o Meteoroide  for suficientemente grande, parte do material empurrado para as bordas da cratera desmorona para dentro da cratera, e a rocha por baixo da cratera irá se recuperar, ou retornar, criando um pico no centro da cratera.

As bordas dessas crateras  também podem criar terraços que desmoronam  para o centro da cratera.

Nós podemos até mesmo ver cadeias de crateras em muitas luas e planetas.
Estas foram provavelmente feitas pelo impacto de uma série de objetos, assim como o que aconteceu quando o cometa Shoemaker-Levy 9 impactou Júpiter.

A maioria das marcas de impacto em muitas das luas e planetas não podem ser vistas por telescópios amadores.
Você tem que olhar imagens da missão para estas.

Quando você não estiver olhando crateras este mês, volte seus olhos para Saturno.
Você vai encontrá-lo na metade acima do horizonte sul, no pôr do sol.

O horário entre meia-noite e madrugada oferecem vislumbres de Plutão, Urano, Netuno e mesmo o asteróide Vesta, que tem um enorme cratera de  impacto no pólo sul.

Uma grande família de meteoritos que caíram na Terra pode ter se originada a partir deste impacto sobre Vesta.

Teremos mais a falar sobre isso no próximo mês, quando a nave espacial Dawn da NASA  é esperada para alcançar a órbita em torno de Vesta.

Há dois eclipses este mês, também.
Um eclipse solar parcial em 01 de junho é visível sobre as regiões do norte do Ártico.
Duas semanas depois, em 15 de junho, um eclipse lunar total será visível em grande parte do hemisfério sul.

Você pode ler tudo sobre os impactos em nosso sistema solar em solarsystem.nasa.gov/YSS no Ano do Sistema Solar.

E você pode aprender tudo sobre as missões da NASA no www.nasa.gov.

Whats’up Maio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *