Enterprise radio controlada Voa na água

Um de meus passatempos favorito em minha adolescência era construir modelos em miniatura, na época os kits da Revell do Brasil. Eu e meu irmão  tínhamos centenas (mais ele do que eu…), todos com seus detalhes e decalques que usavam agua para ser colocados, naquela época nunca teria coragem de colocar algum deles na agua.

Mas porque deixar o seus modelos lidos e maravilhosa-mente montados em uma estante pegando poeira e correndo o risco de um primo ou outro pirralho qualquer sair correndo com sua Enterprise,  fazendo vrum vrum ( aff motores de dobra não fazem vrum vrum…). Então um grupo de geeks resolveu adotar uma nova pratica, transformar aqueles lindos modelos de ficção científica em modelos radio controlados. Mas como infelizmente a anti gravidade ainda não esta disponível, o recurso e usar um meio mais denso, a agua, transformando estas belonaves em lindos submarinos, 

Como você pode observar eles não usam hélices e sim potentes turbinas hidráulicas e que se adaptam perfeitamente ao design de turbinas e motores de dobras, um dos modelos mais bonitos e do Space battleship Yamato, do anime de mesmo nome  ou em sua versão em Inglês  Star Blazers, com todas as suas torres moveis. 

Janeway sempre perdida com a sua U.S.S. Voyager

Como também gostava de criar modelos navais e não tinha a cesso a algumas tecnologias como a fibra de vidro, tive que me aventurar com outros materiais para poder usar a minha criatividade, uma delas foi fazer um submarino motorizado (controle remoto era um sonho distante) feito com latas e muito estanho. E baseado no meu conhecimento empírico em  submerciveis, afundar um submarino de lata que pesava 6 quilos não era fácil sem ter de encher grande parte dele com agua para ter uma flutuabilidade neutra, em um modelo de plástico ele tem de estar totalmente cheio de agua! e isolar os componentes eletrônicos e os cervos não é nada fácil.

Um outro problema para quem cria modelos “navais” é aonde brincar com testar seus modelos,  principalmente pela falta de locais públicos para essa pratica, lembro bem  que na procura de um local para testes do meu submarino o  ” U235″, acabei conhecendo a mulher amada e com qual eu me casei, mas é outra historia.

via  blog.makezine.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *